Crescimento de Tubos polínicos e local de incompatibilidade em Byrsonima sericea DC (Malpighiaceae)

Gloria Matallana-Tobon, Lourdes Marcarini, Luis Fernando Tavares de Menezes

Resumo


A autoincompatibilidade é a capacidade que as plantas comflores têm de distinguir o próprio pólen do pólen intraespecífico e inibir seucrescimento. É um mecanismo fisiológico controlado geneticamente, emmuitos casos por um único lócus, denominado de lócus S, com uma grandequantidade de alelos. Além do controle genético, características específicasdo pólen e pistilo, assim como o crescimento do tubo polínico e o local deinterrupção do mesmo são observadas para inferir sobre o tipo de sistema deautoincompatibilidade. Este trabalho acompanhou o desenvolvimento dos tubospolínicos em Byrsonima sericea DC em tratamentos controlados de polinizaçãocruzada e autopolinização para determinar o local de incompatibilidade eassim inferir o tipo de sistema de autoincompatibilidade, com ferramentasde microscopia de fluorescência. Observações foram feitas em pistilos após12, 24, 48 e 72 horas à polinização. Os tubos polínicos nos tratamentos deautopolinização se desenvolveram no estilete, mas não chegaram a penetrarnos óvulos, sugerindo que o tipo de autoincompatibilidade é gametofítica. Ogênero Byrsonima, por possuir ampla distribuição em ambientes diversos, alémde ter registros tanto de espécies autocompatíveis com autoincompatíveis,se apresenta como um forte candidato para estudos mais aprofundados dosmecanismos de autoincompatibilidade em âmbito molecular para elucidar asdiferentes estratégias dentro das angiospermas.

(Pollen tube growth and site of incompatibility in Byrsonimasericea DC (Malpighiaceae). Self-incompatibility is the ability of floweringplants to distinguish their own pollen from intraspecific pollen and inhibit theirgrowth. It is a physiological mechanism genetically controlled, in many casesby a single locus, referred to as S locus, with a large number of alleles. Besidesgenetic control, specific characteristics of the pollen and pistil, pollen tube growthand the site of rejection are used to infer the type of self-incompatibility system.This work followed the development of pollen tubes in Byrsonima sericea DCin controlled treatments of cross and self-pollination to determine the site ofincompatibility and thus infer the type of incompatibility system of this species.Observations were conducted in pistils 12, 24, 48 and 72 hours after pollination.Pollen tubes from self-pollination treatments developed in the style, but do notpenetrate ovules, suggesting that the type of self-incompatibility is gametophytic.Due to its wide distribution in different environments, as well as the presence ofself-compatible and self-incompatible species, the Byrsonima gender is presentedas a strong candidate for further study of self-incompatibility mechanisms atthe molecular level to elucidate the different strategies within the angiosperms.

 


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.